Ação russa na Geórgia pode prejudicar laços com EUA

domingo, 10 de agosto de 2008 10:42 BRT
 

Por Jeremy Pelofsky e Matt Spetalnick

PEQUIM (Reuters) - A Casa Branca avisou a Rússia no domingo que a escalada da ação militar no conflito da Geórgia poderia causar um "impacto significativo de longo prazo" nas relações entre Washington e Moscou.

James Jeffrey, assessor de segurança nacional do presidente norte-americano, George W. Bush, disse que seria particularmente importante a reação russa à retirada das forças georgianas da região separatista de Ossétia do Sul.

O ministro do interior da Geórgia disse anteriormente que as forças haviam se retirado da Ossétia do Sul, onde estavam lutando contra as tropas russas pelo controle da região.

O exército russo confirmou a retirada da Geórgia da capital da região.

"Nós lamentamos as ações perigosas e desproporcionais das forças russas e estaremos particularmente preocupados se os ataques continuarem agora que os georgianos estão se retirando", disse Jeffrey.

Além disso, os Estados Unidos estariam "muito, muito preocupados se de fato houver ataques dentro da Geórgia fora dessas áreas de Abkházia e Ossétia", acrescentou.

A retirada georgiana ocorre após três dias de intensos combates em uma tentativa da Geórgia de retomar o controle da região separatista pró-Moscou, que levou à invasão da Rússia em Ossétia do Sul e ao lançamento de ataques aéreos na Geórgia.

A Rússia bombardeou um aeroporto militar nas proximidades da capital da Geórgia na manhã de domingo, e Tbilisi disse que os russos também estariam levando suas tropas para Alkházia, no Mar Negro, outra região rebelde que se separou de Tibilisi no início dos anos 90 após uma guerra.   Continuação...

 
<p>Inc&ecirc;ndio consome &aacute;rvores perto de Gori, na Ge&oacute;rgia, em 10 de agosto de 2008. A Casa Branca avisou a R&uacute;ssia no domingo que a escalada da a&ccedil;&atilde;o militar no conflito da Ge&oacute;rgia poderia causar um 'impacto significativo de longo prazo' nas rela&ccedil;&otilde;es entre Washington e Moscou. Photo by Gleb Garanich</p>