Reeleito em Salvador, João Henrique diz que PMDB lhe dá força

domingo, 26 de outubro de 2008 22:15 BRST
 

SALVADOR, 26 de outubro (Reuters) - Em sua primeira entrevista após ser reeleito prefeito de Salvador, João Henrique (PMDB), procurou mostrar que manterá boas relações com o governo federal, depois de um segundo turno agressivo de parte a parte com Walter Pinheiro (PT).

"O que aconteceu na campanha, ficou pra trás. Com o apoio do PMDB, do ministro Geddel Vieira Lima e de mais nove ministros do governo do presidente Lula, vamos trabalhar muito mais por Salvador", disse João Henrique, apontando como sua interlocução no governo federal os ministros do PMDB.

João Henrique foi eleito com 58,46 por cento dos votos válidos, contra 41,54 por cento de Pinheiro.

Indagado sobre os conflitos surgidos ao longo da campanha que o colocaram em rota de colisão com o governador da Bahia, Jaques Wagner (PT), o prefeito reeleito também minimizou as consequência.

"Prefiro relevar, acho que foi o calor da campanha. Isso já passou, vamos olhar para a frente."

Evangélico, João Henrique agradeceu sua vitória "a Deus e ao povo de Salvador, que está nos confiando a missão de conduzir o seu destino por mais quatro anos."

Complementou afirmando que a questão a partir de agora é trabalhar para melhorar a qualidade de vida dos moradores de Salvador. "Temos grandes desafios nessa grande metrópole que cresce em ritmo aceleradíssimo", disse ele, citando o trânsito, o transporte coletivo, alimpeza urbana, a iluminação pública, aeducação e a saúde, como questões essenciais.

João Henrique reconheceu que os dois primeiros anos de sua administração em Salvador foram difíceis, com muitos problemas administrativos e políticos. Ele foi eleito em 2004 pelo PDT, apoiado por partidos de esquerda no segundo turno.

"Alguns partidos políticos que participaram da primeira fase do meu governo, na verdade estavam gestando candidaturas para serem lançados contra mim. Assim foi com no mínimo dois partidos grandes", acusou, sem dizer nomes, mas em referência clara a PT e PCdoB.   Continuação...