Protestos fazem papa cancelar palestra em universidade romana

terça-feira, 15 de janeiro de 2008 19:05 BRST
 

Por Phil Stewart

ROMA (Reuters) - O papa Bento 16 cancelou na terça-feira um discurso que faria na mais prestigiosa universidade romana, a La Sapienza, depois de protestos de alunos e professores. É a primeira vez em seu pontificado que ele se vê forçado a cancelar um evento devido a manifestações negativas.

O protesto começou com um abaixo-assinado de 67 professores que disseram que o papa de origem alemã não era bem-vindo por ser um teólogo retrógrado, que coloca a religião acima da ciência.

"Lamento profundamente a decisão do papa Bento 16", disse o primeiro-ministro italiano, Romano Prodi, após o anúncio do Vaticano. Prodi pediu que ele reconsidere. "Nenhuma voz deve ser silenciada em nosso país, e ainda mais quando se trata do papa."

Os descontentes citavam um discurso proferido há quase duas décadas na universidade pelo então cardeal Joseph Ratzinger em que ele aparentava justificar o julgamento de Galileu, ocorrido no século 17. Ele foi considerado herege por defender que a Terra gira em torno do Sol.

Seguidores do papa disseram que ele estava apenas citando a opinião de um teólogo austríaco, mas sem concordar com o julgamento de Galileu.

A polêmica reavivou as discussões na Itália sobre o papel do Catolicismo na vida do país. "Acho que a visita do papa não é uma coisa boa porque a ciência não precisa de religião. A universidade está aberta a toda forma de pensamento, mas a religião não está", disse o professor Andrea Sterbini, um dos signatários do protesto.

"O papa está fazendo a La Sapienza de refém. Liberdade aos pensadores", diz um cartaz deixado por estudantes.

Já aliados insuspeitos saíram em defesa do papa. O Nobel de Literatura Dario Fó, crítico contumaz da Igreja, defendeu o direito do papa à expressão.   Continuação...