Policial londrino chora em tribunal sobre morte de Jean Charles

terça-feira, 16 de outubro de 2007 15:52 BRST
 

LONDRES (Reuters) - O chefe da equipe de policiais britânicos que matou por engano o brasileiro Jean Charles de Menezes, em Londres, ao confundi-lo com um homem-bomba, chorou no tribunal nesta terça-feira, mas defendeu as atitudes de sua unidade.

O eletricista de 27 anos levou sete tiros na cabeça dentro de um trem de metrô que estava parado numa estação no sul de Londres em julho de 2005.

Policiais o haviam identificado por engano como um dos quatro homens que tinham tentado executar um ataque contra o sistema de transporte londrino no dia anterior.

O oficial, identificado apenas como "Ralph", para proteger seu verdadeiro nome, disse ao tribunal que tinha orgulho de sua equipe, apesar da morte de um inocente.

"Ralph", responsável pela equipe armada CO19, disse que seus subordinados achavam que estavam arriscando suas vidas para impedir mais um ataque suicida a bomba.

"Estávamos avançando para cuidar daquilo, para proteger o público, apesar de aquele homem poder ter um dispositivo (explosivo) com ele", disse o oficial, que testemunhou por trás de um biombo.

Questionado sobre o que achava de ser chamado pela promotoria a depor como testemunha, "Ralph" começou a chorar. O juiz então disse: "Acho que a resposta já fala por si só."

O oficial recebeu uma caixa de lenços de papel e acrescentou: "Apesar do resultado, tive muito orgulho deles (os policiais)".

Os ataques frustrados -- apenas duas semanas após quatro jovens islamitas britânicos terem detonado bombas que mataram 52 pessoas em três trens do metrô e um ônibus em Londres -- tinham desencadeado uma grande caçada humana.   Continuação...