ATUALIZA-Chávez envia tanques para a fronteira com a Colômbia

domingo, 2 de março de 2008 17:15 BRT
 

Por Saul Hudson

CARACAS (Reuters) - O presidente da Venezuela, Hugo Chávez, ordenou a mobilização de tanques para a fronteira com a Colômbia e de aviões de guerra no domingo, depois que soldados colombianos atravessaram a fronteira do Equador em um ataque contra rebeldes.

Ele também ordenou o fechamento da embaixada venezuelana na Colômbia e a retirada de todo o corpo diplomático, advertindo que as ações da Colômbia poderiam lavar a uma guerra na América do Sul.

"Sr. ministro da Defesa, despache dez batalhões para a fronteira com a Colômbia imediatamente, batalhões de tanques", disse Chávez em seu pronunciamento semanal pela televisão. "A Força Aérea deve ser mobilizada. Não queremos uma guerra."

As Forças Armadas da Colômbia anunciaram no sábado que suas tropas mataram Raúl Rayes, um líder do grupo guerrilheiro marxista Farc (Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia), em um ataque a um acampamento na selva, no Equador. Foi um golpe duro contra o grupo rebelde mais antigo da América Latina. A operação incluiu ataques aéreos fronteira adentro.

No sábado, Chávez advertiu a Colômbia para que não fizesse o mesmo na Venezuela, porque ele interpretaria o incidente como "um motivo para guerra".

No domingo, ele disse que enviaria caças russos para a Colômbia, caso as tropas invadissem a Venezuela. Chávez tem uma postura reconhecidamente anti-americana, enquanto a Colômbia é uma aliada dos Estados Unidos.

O presidente venezuelano está em uma disputa diplomática com seu adversário ideológico, o presidente colombiano Álvaro Uribe, há meses, por causa da mediação da Venezuela com os rebeldes das Farc para a libertação de reféns. Uribe acusou Chávez de usar a mediação para interferir em assuntos colombianos.

No domingo, Chávez acusou Uribe de mentir sobre os detalhes da operação que matou o líder rebelde no Equador. O presidente equatoriano, Rafael Correa, é um aliado da Venezuela. Chávez chamou a ação de "um assassinato covarde" de "um bom revolucionário."   Continuação...