Paes vai a Brasília agradecer apoio de Lula e buscar parcerias

segunda-feira, 27 de outubro de 2008 15:56 BRST
 

RIO DE JANEIRO, 27 de outubro (Reuters) - O prefeito eleito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes (PMDB), disse nessa segunda-feira que vai a Brasília, na quarta-feira, com o governador do Estado, Sérgio Cabral, para agradecer pessoalmente o apoio do presidente Luiz Inácio Lula da Silva no segundo turno e para começar a planejar seu governo.

Paes declarou que já conversou com Lula pelo telefone após a vitória nas urnas, mas a viagem a Brasília será o primeiro passo para a construção de uma parceria envolvendo município, Estado e governo federal.

"Ontem (domingo), eu e o Cabral conversamos com o presidente pelo telefone e vamos ter um encontro. Nós o agradecemos pelo apoio e vamos pensar agora em parcerias que representem melhorias para o Rio de Janeiro", disse o prefeito eleito a jornalistas, se mostrando otimista em já trazer boas notícias de Brasília

O encontro pode dar uma luz a Eduardo Paes para a formação do seu futuro secretariado.

Nessa segunda-feira, o peemedebista anunciou que o deputado estadual Pedro Paulo (PSDB), será o chefe da Casa Civil da prefeitura. Embora tucano, o deputado não acompanhou seu partido no apoio a Fernando Gabeira (PV) e esteve o temo todo envolvido na campanha de Paes. Outros nomes poderão ser divulgados ainda essa semana.

Paes disse que popde fazer essa semana a indicação do futuro secretário da saúde da cidade do Rio de Janeiro. A candidata do PCdoB à prefeitura do Rio, Jandira Feghalli, é um dos nomes cotados. O senador Marcelo Crivella (PRB) não descarta a possibilidade de assumir uma pasta no governo de Paes.

O prefeito eleito formou uma ampla aliança no segundo turno, que reuniu 12 legendas, e teve o apoio de alguns candidatos derrotados no primeiro turno.

Paes admitiu que vai dar cargos no seu governo aos partidos que o ajudaram a vencer as eleições. Afirmou, contudo, que vai avaliar três aspectos antes das nomeações: competência técnica, honestidade e capacidade de realização. "Vamos governar com os partidos que nos ajudaram nessa eleição, mas os critérios são fundamentais", ressaltou.

(Reportagem de Rodrigo Viga Gaier, Edição de Mair Pena Neto)