17 de Agosto de 2008 / às 15:46 / 9 anos atrás

Peregrinos retornam a suas casas após ritual sagrado no Iraque

Por Sami al-Jumaili

KERBALA, Iraque (Reuters) - Centenas de milhares de peregrinos xiitas deixaram a cidade sagrada iraquiana de Kerbala no domingo, ao final de um ritual sagrado anual que, este ano, aconteceu sem a violência sectária que o marcou no ano passado.

Vários ataques com bombas contra peregrinos a caminho do ritual mataram mais de 30 pessoas nos últimos dias, mas o ritual propriamente dito, em Kerbala, passou-se em paz, segundo as autoridades. No ano passado, milicianos xiitas entraram em choque com a polícia durante a peregrinação, provocando grandes tiroteios nas ruas de Kerbala.

Na conclusão do ritual Sha'abiniya, durante a noite de lua cheia, os fiéis lotaram as margens de um afluente do rio Eufrates, colocando velas acesas na água sob o luar.

Em seguida os peregrinos começaram a embarcar em ônibus para deixar Kerbala, situada a 80 quilômetros ao sul de Bagdá. A cidade foi extremamente vigiada esta semana por cerca de 40 mil policiais e soldados iraquianos, com o apoio de atiradores de elite, helicópteros e cães farejadores de bombas.

A peregrinação marca um dos dias mais sagrados do islamismo xiita: o aniversário do nascimento do imã Mohammed al Mehdi. Os xiitas acreditam que o retorno do "Imã Escondido", que desapareceu no século 9, vai inaugurar a paz na Terra.

As multidões de xiitas que fazem a peregrinação todos os anos evidenciam a influência da maioria religiosa iraquiana, cinco anos após a invasão liderada pelos EUA em 2003.

A participação nas peregrinações xiitas vem crescendo muito desde a queda de Saddam Hussein, árabe sunita que reprimia as manifestações xiitas e controlava as lideranças xiitas. Os eventos religiosos xiitas têm sido alvos frequentes de ataques de militantes sunitas.

Um atentado suicida matou 19 peregrinos perto da cidade de Iskandariya na quinta-feira. Eles estavam a caminho de Kerbala.

"Este ano a peregrinação foi muito boa, excetuando o incidente em Iskandariya", comentou Yousif Mohammed Ali, 41 anos, de Basra, antes de retornar a sua cidade.

Em outros ataques a peregrinos, nove foram mortos na sexta-feira numa estação de ônibus em Balad, ao norte de Bagdá, e outros seis em Bagdá no sábado.

Mas não houve repetição dos enfrentamentos sectários xiitas do ano passado, que converteram a área em volta do santuário em zona de batalha durante dias e levaram o influente clérigo xiita Moqtada al Sadr a declarar um cessar-fogo de sua milícia, o exército Mehdi.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below