1 de Fevereiro de 2008 / às 21:46 / 10 anos atrás

Equador atenua o tom em renegociações do petróleo

QUITO, 1o de fevereiro (Reuters) - O Equador está disposto a manter temporariamente os atuais contratos com multinacionais do petróleo, enquanto renegocia o aumento da participação estatal no setor, disseram autoridades na sexta-feira.

Isso representa um recuo do governo do presidente Rafael Correa, que anteriormente defendia a transferência imediata dos atuais contratos (em que as empresas ficam com parte do petróleo extraído) para um novo sistema, em que o Estado ficaria com todo o petróleo e pagaria às companhias uma taxa por seus serviços.

Desde que assumiu o governo, no ano passado, Correa tenta ampliar o controle estatal sobre os recursos naturais.

"Poderia haver um período de transição em que vamos manter os contratos de participação, para mais tarde passar para os acordos por serviços", disse a jornalistas o vice-ministro de Mineração, José Serrano, que faz parte da equipe de renegociação. Segundo ele, o prazo dessa transição também seria negociável.

Em comentários feitos anteriormente em Viena, onde fica a sede da Organização de Países Exportadores de Petróleo (Opep), o ministro de Petróleo e Minas, Galo Chiriboga, citou a possibilidade de "um espaço de transição entre um contato e outro para evitar problemas."

Segundo Chiriboga, algumas empresas se opõem à transição imediata.

Correa, formado em economia nos EUA, surpreendeu as empresas em 2007 ao aumentar a taxação sobre o petróleo, o que algumas companhias disseram que inviabilizaria suas operações.

A elevação do imposto, porém, contribuiu com sua popularidade, já que muitos equatorianos pobres se sentem excluídos das riquezas do país.

Com o reajuste do imposto, as empresas precisam entregar ao governo quase todo o seu faturamento que ultrapasse um determinado preço contratual.

Algumas empresas, como a espanhola Repsol e a chinesa Andes, ameaçaram processar o governo equatoriano. Outras, como a Petrobras, a francesa Perenco e a norte-americana City Oriente, também estão envolvidas na renegociação.

"Eles estão abrindo caminho para preparar a opinião pública", disse um importante executivo do setor, pedindo anonimato. "Esta é uma saída menos radical, e eles querem livrar a cara."

Uma importante fonte governamental envolvida nas negociações disse que o Estado pretende alterar os atuais contratos de participação, o que reduziria o ônus fiscal sobre as empresas, devido a uma reforma tributária recentemente aprovada, que valerá para os novos contratos.

No novo sistema, o imposto sobre o faturamento excedente ficará em 70 por cento. No ano passado, Correa elevou a alíquota de 50 para 99 por cento.

"O objetivo aqui é que as companhias ampliem o investimento", disse essa fonte, também sob anonimato. "Todo mundo ficará feliz no fim das contas."

O funcionário acrescentou que a renegociação deve terminar em duas semanas.

Por Alonso Soto

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below