Espanha nega que príncipe Felipe tenha reunião com Chávez

sexta-feira, 7 de dezembro de 2007 11:55 BRST
 

MADRI (Reuters) - O príncipe Felipe de Asturias não pretende reunir-se com o presidente venezuelano, Hugo Chávez, depois de o pai dele, o rei Juan Carlos, ter mandado o dirigente da Venezuela calar a boca, afirmou na sexta-feira a vice-primeira-ministra da Espanha, María Teresa Fernández de la Vega.

O Ministério das Relações Exteriores do país europeu aventou na quarta-feira a possibilidade de haver um encontro informal entre Chávez e o herdeiro da coroa espanhola quando ambos comparecerem à cerimônia de posse da nova presidente argentina, neste fim de semana.

Chávez exigiu que o rei da Espanha peça desculpas por suas declarações e, na quarta-feira, afirmou que o príncipe lhe entregaria uma mensagem pessoal do rei quando os dois se reunissem em Buenos Aires.

A vice-primeira-ministra afirmou na sexta-feira que nenhum pedido formal fora feito para a realização de um encontro do tipo e que nenhuma reunião especial estava prevista.

"Pode haver uma saudação protocolar, nada mais", afirmou De la Vega em uma entrevista coletiva realizada diante do Conselho de Ministros. "Prevê-se apenas que, se o presidente da Venezuela comparecer, pode acontecer uma saudação protocolar da parte do príncipe de Asturias."

O rei Juan Carlos mandou Chávez se calar depois de o presidente venezuelano ter chamado o ex-primeiro-ministro espanhol José María Aznar de "fascista" várias vezes, durante uma cúpula realizada no Chile, no mês passado.

Chávez, que já insultou dirigentes de outros países em público, respondeu afirmando que reavaliaria a situação das empresas espanholas presentes na Venezuela.

Em um sinal de que diminuíam as tensões, o presidente venezuelano afirmou na quarta-feira que "saudava" a mensagem enviada a ele pelo rei espanhol por conta da tranquilidade verificada no plebiscito constitucional de domingo, do qual Chávez saiu derrotado.

REUTERS FE