Intel acerta produção de placas-mãe com brasileira Digitron

quinta-feira, 8 de novembro de 2007 21:36 BRST
 

SÃO PAULO (Reuters) - A Intel fechou um acordo com a fabricante brasileira de componentes digitais Digitron para a produção nacional de placas-mãe de computadores com a marca da norte-americana, no primeiro acordo do tipo acertado pela gigante da informática no mundo.

As placas serão montadas na fábrica da Digitron em Manaus, que consumiu investimentos de 40 milhões de dólares e possui uma linha de produção voltada inteiramente aos produtos da Intel. A expectativa é de vendas de 500 mil unidades em 2008, após o início da comercialização em dezembro, apenas no mercado brasileiro.

As atuais condições favoráveis no país como a estabilidade financeira, incentivos fiscais do governo e crescimento significativo do mercado permitiram a decisão pela produção local das placas da Intel, que já vinha sendo estudada pela empresa norte-americana há algum tempo, informou a companhia em comunicado.

"O acordo para licenciamento com a Digitron foi a maneira mais rápida encontrada pela empresa para viabilizar a produção local de placas-mãe", divulgou a Intel.

"O país (Brasil) vive um grande momento em relação ao crescimento no consumo de produtos de tecnologia da informação, devendo estar entre os três maiores do mundo até 2010", disse no comunicado o presidente da unidade brasileira da Intel, Oscar Clarke.

A unidade de investimentos da companhia norte-americana, Intel Capital, fez em 2005 uma injeção de recursos na Digitron, cujo valor não foi revelado.

As empresas estimam que as placas-mãe Intel montadas no país serão cerca de 20 por cento mais baratas do que os produtos importados e avaliam a produção de outros modelos em 2008.

Levantamento da Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica (Abinee) revelou que no terceiro trimestre, as vendas de computadores a usuários individuais superaram as vendas de máquinas para empresas pela primeira vez.

Segundo a Abinee, foram comercializados 2,627 milhões de computadores no terceiro trimestre, 21,7 por cento a mais que no mesmo período do ano passado. Desse total, 51 por cento foi vendido a usuários domésticos e o restante a empresas.   Continuação...