ATUALIZA-Rússia pede que UE use razão ao tratar de Geórgia

sexta-feira, 29 de agosto de 2008 16:35 BRT
 

(Texto reescrito e atualizado com mais informações e detalhes)

Por Conor Sweeney e François Murphy

PARIS/MOSCOU, 29 de agosto (Reuters) - A Rússia e as potências européias tentaram evitar uma confrontação aberta a respeito da Geórgia na terça-feira, dia em que o governo russo pediu à União Européia (UE) que não adote precipitadamente uma ação punitiva e em que a França disse não ser este o momento para sanções.

Governos do Ocidente criticaram a Rússia por enviar soldados para várias localidades da Geórgia, uma ex-República Soviética, e por reconhecer a independência das duas regiões georgianas separatistas. Em meio à crise, surgiram declarações semelhantes às proferidas durante a Guerra Fria.

Depois de o governo russo ter reconhecido como independentes as regiões da Ossétia do Sul e da Abkházia, a Geórgia afirmou que cortaria seus laços diplomáticos com o país vizinho. Um membro do Ministério das Relações Exteriores da Rússia disse à agência de notícias RIA que o governo russo responderia fechando sua embaixada em Tbilisi.

"Seria muito estranho ter relações diplomáticas com a Rússia" enquanto os russos selam laços diplomáticos com as regiões separatistas, afirmou a ministra georgiana das Relações Exteriores, Ekaterine Tkeshelashvili.

Segundo diplomatas, há sinais de que a Rússia retaliará caso os líderes da UE, em uma cúpula marcada para ocorrer na segunda-feira, em Bruxelas, decidam-se por impor-lhe sanções. O bloco europeu depende do combustível vendido pelos russos.

Mas empresas petrolíferas e autoridades do governo da Rússia negaram a notícia divulgada por um jornal britânico sobre os russos estarem se preparando para restringir a remessa do combustível em resposta a eventuais sanções.   Continuação...