Israel diz manter negociação de paz indireta com Síria

quarta-feira, 21 de maio de 2008 10:05 BRT
 

Por Jeffrey Heller

JERUSALÉM (Reuters) - Israel e Síria surpreenderam o mundo na quarta-feira ao anunciar que estão mantendo negociações de paz indiretas, sob mediação turca.

Autoridades de ambos os países estão na Turquia, segundo uma fonte do governo israelense, que no entanto não confirmou a ocorrência de contatos diretos entre as delegações.

Em nota, o gabinete do primeiro-ministro de Israel, Ehud Olmert, confirmou haver "conversas indiretas sob auspícios turcos".

"As partes declararam sua intenção de conduzir as negociações sem preconceitos e com abertura... Decidiram conduzir o diálogo de maneira séria e contínua, com o objetivo de alcançar uma paz abrangente", acrescentou o texto.

A chancelaria síria divulgou nota semelhante, dizendo que "ambas as partes manifestaram seu desejo de conduzir as negociações com boa-vontade e decidiram continuar o diálogo com seriedade para alcançar uma paz abrangente".

Há um mês, fontes oficiais sírias disseram que havia uma cooperação com a Turquia no sentido de retomar as negociações com Israel, abandonadas há oito anos.

A fonte israelense que falou à Reuters disse que desde o ano passado há um esforço para reiniciar o processo de paz sob a mediação turca.

Síria e Israel discutiram a paz pela última vez em 2000, nos EUA, mas não houve acordo sobre as colinas do Golã, território sírio capturado por Israel em 1967 e posteriormente anexado, e sobre o acesso ao vizinho mar da Galiléia.

Olmert, que há seis meses também retomou o processo de paz com os palestinos, disse estar disposto a discutir a devolução do Golã à Síria, desde que em troca Damasco rompa relações com o Irã e com movimentos armados hostis a Israel, especialmente o grupo palestino Hamas e o libanês Hezbollah.

Em setembro de 2007, aviões israelenses bombardearam uma suposta instalação nuclear em território sírio, sem nenhuma retaliação aparente por parte de Damasco. Os EUA dizem que tal instalação nuclear teria sido construída pela Coréia do Norte.