Rússia inicia retirada da Geórgia; Otan exige mais

terça-feira, 19 de agosto de 2008 16:20 BRT
 

Por Dmitry Solovyov

GORI, Geórgia (Reuters) - Uma coluna de tanques e veículos blindados da Rússia deixou a estratégica cidade georgiana de Gori, na terça-feira. Insatisfeita, a Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) declarou que paralisaria os contatos com o governo russo enquanto Moscou não retirar todas as suas forças da Geórgia.

Potências ocidentais lideradas pelos EUA exigiram a retirada imediata de todas as forças russas da região central da Geórgia, conforme prevê um cessar-fogo que colocou fim a dez dias de combate em torno da região rebelde da Ossétia do Sul.

Ministros dos países-membros da Otan, em uma reunião de emergência realizada em Bruxelas, acataram a recomendação suspendendo os contatos. No entanto, ao contrário do que esperava o governo georgiano, a aliança militar não adotou medidas para fazer desse país do mar Negro um integrante dos seus quadros.

Segundo o governo da Rússia, o presidente russo, Dmitry Medvedev, disse que as forças de seu país, até o dia 22 de agosto, regressariam às posições determinadas pelo cessar-fogo elaborado com a ajuda da França.

Isso significa que a maior parte dos soldados voltaria para a Rússia ou para a Ossétia do sul. No entanto, parte das forças russas, segundo o acordo, continuará em uma zona de proteção criada ao redor da região separatista.

"Até o dia 22 de agosto, uma parte das forças de paz será recuada para a zona temporária de segurança", afirmou Medvedev ao presidente francês, Nicolas Sarkozy, em um telefonema. O conteúdo da conversa foi divulgado pelo governo russo.

"O contingente remanescente que foi utilizado para reforçar as tropas de paz será recuado para o território da Ossétia do Sul e da Rússia", afirmou o comunicado.

Autoridades norte-americanas disseram não ter identificado até agora nenhuma manobra substancial de retirada por parte da Rússia.   Continuação...