Após referendo, governador boliviano da oposição renuncia

terça-feira, 12 de agosto de 2008 16:17 BRT
 

LA PAZ, 12 de agosto (Reuters) - Um governador da oposição derrotado no referendo de confirmação de mandato na Bolívia renunciou na terça-feira em uma decisão que parece afastar a possibilidade de violência política na região.

O ex-militar Manfred Reyes Villa, governador de Cochabamba, anunciou sua decisão depois de que a quase concluída contagem oficial de votos confirmou que foi rechaçado pelos votantes de seu distrito, que ao mesmo tempo ratificaram por ampla maioria o presidente Evo Morales.

Reyes Villa designou como prefeito interino seu secretário geral, Johnny Ferrel, e disse que continuará sua luta legal para anular a consulta eleitoral, que classifica de "anticonstitucional".

"Estou deixando a prefeitura ao secretário geral para que continue este trabalho enquanto eu fizer as ações legais pertinentes", disse a jornalistas.

O prefeito de Cochabamba e o também derrotado prefeito de La Paz, José Luis Paredes, eram os principais aliados ocidentais da chamada "meia lua", um grupo de quatro departamentos do oriente e do sul do país que buscam autonomia, e cujos prefeitos foram confirmados no domingo.

Morales disse após o referendo que chamará a um diálogo os governadores e setores sociais para "juntar" o projeto oficial de nova Constituição "plurinacional" e socialista com os estatutos de autonomia pretendido pela "meia lua", liderada pelo rico estado de Santa Cruz.

Única autoridade que se negara a aceitar o referendo, o governador de Cochabamba não deixou claro se seu afastamento era definitivo, nem o que fará quando os resultados oficiais forem proclamados, o que está previsto para os próximos dias.

Seguidores de Morales anunciaram planos para tomar à força o governo de Cochabamba, logo que se divulgaram os resultados extra-oficiais do referendo com a derrota de Reyes Villa.

O governador, que na segunda-feira disse que se considerava "governante legal" de Cochabamba e que permaneceria no cargo independentemente do resultado do referendo, mudou de tática na terça ao anunciar seu afastamento.

"Agora o governo saberá o que fazer, mas de maneira alguma poderá dizer que o governador de Cochabamba se agarra ao cargo. O único que faz é defender na Justiça o que lhe corresponde", disse Reyes Villa.

(Reportagem de Carlos Alberto Quiroga)