Até 2070, 150 milhões podem sofrer inundações urbanas, diz OCDE

terça-feira, 4 de dezembro de 2007 09:41 BRST
 

Por Simon Challis

LONDRES (Reuters) - Até 150 milhões de habitantes das maiores cidades litorâneas do mundo devem sofrer inundações até 2070, mais do que o triplo do número atual, segundo relatório divulgado nesta terça-feira.

A mudança climática, o crescimento populacional e o desenvolvimento urbano provocarão esse fenômeno, que pode causar danos estimados em 35 trilhões de dólares -- 9 por cento do PIB global, segundo o relatório da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), a partir de cálculos de cientistas e da consultoria Risk Management Solutions.

A pesquisa é a primeira parte do maior estudo já feito sobre a vulnerabilidade de cidades litorâneas a inundações, um problema ao qual hoje estão expostas 40 milhões de pessoas.

O estudo comparou a vulnerabilidade atual e futura de 130 cidades portuárias, levando em conta grandes inundações, do tipo que acontece uma vez a cada 100 anos.

Miami continuará sendo a cidade que pode sofrer mais prejuízo -- o patrimônio vulnerável, hoje estimado em 400 bilhões de dólares, deve subir para 3,5 trilhões até 2070.

Daqui a 63 anos, Cantão, no sul da China, deve ser a segunda cidade mais exposta em termos patrimoniais, seguida por Nova York, Kolkata (ex-Calcutá), Xangai, Mumbai, Tianjin, Tóquio, Hong Kong e Bangcoc.

Os cientistas acreditam que o aquecimento global provocará uma elevação dos mares e tornará tempestades mais frequentes.

"Este relatório desperta considerações políticas cruciais e destaca a urgência da mitigação da mudança climática e a adaptação de estratégias em nível municipal", disse Jan Corfee-Morlot, consultor da OCDE para questões climáticas.

Representantes de governos do mundo todo estão reunidos nesta semana em Bali para tentar iniciar as negociações de um novo tratado climático global, substituto do Protocolo de Kyoto, que expira em 2012.