Oferta da BHP pela Rio pode gerar disputa de até US$170 bi

sexta-feira, 9 de novembro de 2007 10:57 BRST
 

Por James Regan

SYDNEY, 9 de novembro (Reuters) - A rejeição pela Rio Tinto (RIO.AX: Cotações) de uma oferta de aquisição no valor de 140 bilhões de dólares apresentada pela BHP Billiton (BHP.AX: Cotações) provavelmente deflagrará ofertas rivais de empresas do setor de recursos naturais, que estão com os caixas repletos devido aos preços recordes das commodities e de suas ações.

A combinação entre a BHP (BLT.L: Cotações) e a Rio Tinto (RIO.L: Cotações) criaria a maior força da mineração mundial, capaz de controlar o fluxo mundial de navios carregados de minério de ferro, cobre, carvão e outras commodities de uso industrial.

Os analistas dizem que a oferta da BHP Billiton, que previa pagamento integral em ações, pode ser apenas o primeiro disparo em uma batalha capaz de atrair outros interessados e de elevar a mais de 170 bilhões de dólares os lances pela Rio.

Diversos interessados, de grupos petroleiros chineses a mineradoras de níquel na Sibéria, têm o potencial de apresentar ofertas rivais, depois que imensas operações de abertura de capital propiciaram fundos adicionais a diversas empresas, o que lhes confere o capital necessário para financiar ofertas.

"Se um consórcio de companhias chinesas for organizado, elas certamente estariam na disputa, e o mesmo se aplica aos russos, dado o volume de dinheiro que o petróleo está gerando", disse John Colnan, analista da Shaw Stockbroking.

A BHP, maior companhia de mineração do mundo, anunciou na quinta-feira que havia apresentado à Rio, terceira maior empresa do setor, uma oferta de aquisição à base de três ações por uma, mas a Rio rapidamente rejeitou a proposta, classificando o valor oferecido como baixo.

A oferta da BHP envolvia um ágio inicial de 14,4 por cento sobre a cotação das ações da Rio, que avançaram em quase 16 por cento e atingiram valor de 130,90 dólares australianos, enquanto as da BHP caíram em 1,8 por cento. O movimento do dia levou o preço das ações da Rio a superar em três por cento o valor por ação da oferta.

A BHP não informou como enfrentaria potenciais questões de defesa da competição, especialmente no minério de ferro, mercado em que as duas empresas controlam entre 30 e 35 por cento do minério transportado por via marítima, dizem analistas. Só a brasileira Vale do Rio Doce (VALE5.SA: Cotações) extrai mais minério.