McCain recebeu US$ 7 mi em doações irregulares, dizem democratas

sábado, 25 de outubro de 2008 17:49 BRST
 

WASHINGTON, 25 de outubro (Reuters) - O candidato republicano à Presidência dos Estados Unidos, John McCain, recebeu quase 7 milhões de dólares em 6.652 doações que excederam os limites legais de contribuição quando disputava sua indicação como candidato republicano, disse neste sábado o Comitê Nacional Democrata.

O comitê relacionou o valor em uma reclamação que, segundo informou, irá encaminhar na segunda-feira à Comissão Eleitoral Federal. O Comitê Nacional Republicano enviou uma queixa semelhante no dia 5 de outubro, alegando que o candidato presidencial democrata, Barack Obama, não fez o suficiente para eliminar contribuições ilegais.

Numa cópia postada na Internet, o comitê democrata disse neste sábado ter compilado sua informação ao examinar doações registradas pela campanha de McCain em seu web site.

"Análises da informação... mostram que a campanha de McCain recebeu 6.653 contribuições que estavam, cada uma delas, pelo menos com 1.000 dólares excedendo o limite de 2.300 dólares aplicável à campanha nas primárias", diz a reclamação do comitê democrata.

"Dezenove indivíduos contribuíram com mais de 10.000 dólares cada à campanha de McCain --mais do que quatro vezes o limite", diz o documento. Afirma ainda que as doações incluíam as de uma pessoa que deu 56.047 dólares e, no total, o excedente alcança "quase 7 milhões de dólares".

O comitê pediu que a comissão eleitoral investigue a questão. Também acusa a campanha de McCain de aceitar contribuições sem os nomes e endereços dos doadores.

Nenhum porta-voz da campanha de McCain foi localizado de imediato para comentar a reclamação democrata. Em seu web site, o blog político do jornal The New York Times citou Brain Rogers, porta-voz de McCain, dizendo que a queixa do comitê democrata é um golpe de publicidade para distrair a atenção das "práticas sombrias de arrecadação de fundos" de Obama.

(Reportagem de Charles Abbott)