Após massacre em igreja, mortos no Quênia já chegam a 250

terça-feira, 1 de janeiro de 2008 16:44 BRST
 

Por Daniel Wallis e Wangui Kanina

NAIRÓBI (Reuters) - Uma gangue incendiou uma igreja do Quênia nesta terça-feira, matando moradores da região que estavam no local, enquanto o número de mortos nos conflitos desencadeados pela contestada reeleição do presidente Mwai Kibaki subiu para quase 200.

A oposição afirma que cerca de 250 pessoas já foram mortas.

No incidente mais grave, aproximadamente 30 pessoas morreram em uma igreja em chamas próxima à cidade de Eldoret, onde um grande número de membros da tribo Kikuyu --a tribo do presidente Kibaki -- havia se escondido temendo por suas vidas.

O ataque revive memórias traumáticas do leste africano de incidentes em igrejas, das milhares de vítimas do genocídio em Ruanda em 1994 e do suicídio em massa de centenas de membros de um culto ugandense em uma igreja incendiada em 2000.

A polícia, a imprensa e uma autoridade de segurança disseram que o fogo na Assembléia Pentecostal de Deus foi proposital e iniciado por uma gangue de jovens.

Testemunhas disseram haver corpos de mulheres e crianças em meio às vítimas nos escombros.

"Esta é a primeira vez na história que um grupo ataca uma igreja. Nós nunca esperávamos que essa selvageria fosse tão longe", disse o porta-voz da polícia Eric Kiraithe.

"Nossos oficiais estão sendo comedidos na aplicação da lei. Essa moderação não vai durar para sempre".   Continuação...