O mistério do eleitor americano indeciso: quem e por quê?

quarta-feira, 29 de outubro de 2008 15:56 BRST
 

Por Andrea Hopkins

CINCINNATI, 29 de outubro (Reuters) - Não é por falta de informação que o fotógrafo Chad Moon, de Ohio, se tornou integrante de uma categoria rara e cobiçada no cenário político dos EUA --um eleitor indeciso no final da campanha.

Ele julga saber o suficiente sobre o republicano John McCain e o democrata Barack Obama. "É que eu não gosto particularmente de nenhum deles", explicou Moon, 32 anos, dono de uma pequena empresa e pai de dois filhos.

A seis dias da eleição presidencial, os indecisos são o alvo prioritário das campanhas eleitorais nos Estados estratégicos.

Mas o que há de errado com essa gente? Depois de mais de um ano de campanha política ininterrupta, o que ainda falta para esses eleitores se decidirem?

Vivendo em um Estado politicamente dividido e eleitoralmente importante, como Ohio, Moon tem sido bombardeado por anúncios de TV, telefonemas automáticos e visitas freqüentes de Obama e McCain à região. Assim, Moon conhece bem os dois.

O problema é que Moon é fiscalmente conservador, e não gosta das propostas fiscais de Obama; por outro lado, é um eleitor não-religioso, "pró-escolha" (no caso do aborto), e por isso não concorda com as posições de McCain e especialmente de sua vice, Sarah Palin, a respeito de questões sociais.

"Realmente não sei o que vou fazer", disse Moon. E quando vai decidir? "Tomara que logo."

Os indecisos ainda são 8 por cento dos prováveis eleitores, segundo pesquisa do Centro Pew de Pesquisas para o Povo e a Imprensa, divulgada na terça-feira.   Continuação...