PT defende CPI para investigar cartões do governo Serra

sexta-feira, 8 de fevereiro de 2008 20:15 BRST
 

Por Carmen Munari

SÃO PAULO (Reuters) - O deputado estadual Enio Tatto (PT), líder da minoria na Assembléia Legislativa de São Paulo, propôs que o líder do governo na Casa encaminhe um pedido de CPI para investigar os gastos com o cartão de débito do governo paulista.

Caso o deputado Barros Munhoz (PSDB) se recuse, na semana que vem Tatto pretende encaminhar pessoalmente o requerimento da CPI.

"Se ele não fizer o pedido, na terça-feira vou pedir para que assine o requerimento da minoria," disse Tatto nesta sexta-feira.

Para o deputado, se o governo estadual considera que o uso dos cartões é correto e que não tem nada a temer, deve tomar a iniciativa de criar a CPI. A oposição tem dificuldade em encaminhar um pedido de CPI. São necessárias 32 assinaturas dentre os 94 deputados estaduais, e a oposição só tem 25 representantes.

"Os saques em dinheiro chamam a atenção e é o que mais nos preocupa pela dificuldade de fiscalização," disse Tatto.

Em 2007, primeiro ano do governo José Serra (PSDB), os gastos com cartão de débito chegaram a 108,3 milhões de reais. Deste total, 48,3 milhões de reais são registrados como saques, o que representa 44 por cento.

"Se for comprovado que há malversação do dinheiro público usado nos cartões de débito, aí eu apoiaria uma CPI," reagiu Barros Munhoz.

O líder do PT na Assembléia, Simão Pedro, também passou a defender a instalação de uma CPI, mas na quinta-feira afirmou que não via ilegalidade nos dados.   Continuação...