Produção de Carajás será a pior do ano no trimestre, diz VALE

terça-feira, 3 de junho de 2008 12:25 BRT
 

SÃO PAULO, 3 de junho (Reuters) - As chuvas sazonais farão a produção de minério de ferro da Vale (VALE5.SA: Cotações) ter o pior desempenho trimestral de 2008, no segundo quarto do ano, admitiu um executivo nesta terça-feira.

"Mas a queda já era prevista e não deve afetar a produção esperada para o ano", disse o diretor de relações com investidores da companhia, Roberto Castello Branco, a jornalistas, durante evento com investidores.

Na semana passada, o Citi liberou um relatório apontando que o desempenho operacional da mineradora deve ser penalizado no curto prazo devido às fortes chuvas na Serra de Carajás, que tradicionalmente ocorrem nesta época.

"Produção menor aliada à queda no preço do níquel pode levar a menores projeções do mercado para o lucro por ação da empresa nos próximos trimestres", dizia trecho do documento do Citi.

No primeiro trimestre de 2008, a Vale informou ter embarcado 76,57 milhões de toneladas métricas de minério de ferro e pelotas, 15 por cento maior do que no mesmo período do ano anterior.

Castello afirmou também que a empresa traçou uma meta de avançar na avaliação das agências classificadoras de risco de crédito. "Nosso objetivo é ser uma companhia nível A", afirmou.

Desde 2005, a nota da dívida em moeda estrangeira da Vale pela Moodys é Baa3. Há dois anos, seu rating pela Fitch é BBB-, enquanto o da Standard & Poors está em BBB, um degrau acima dos papéis soberanos do Brasil.

O executivo disse, no entanto, que não está nos planos da companhia uma nova emissão de papéis no mercado externo com o objetivo de alongar o perfil de seu endividamento ainda em 2008.

A dívida total da Vale no final de março era de 20,5 bilhões de dólares, ante 23,48 bilhões de um ano antes, e prazo médio de vencimento de 9,6 anos.

(Reportagem de Aluísio Alves; edição de Roberto Samora)