April 21, 2008 / 1:52 PM / 9 years ago

Apesar de derrota, colorados pautariam mudanças no Paraguai

4 Min, DE LEITURA

Por Daniela Desantis

ASSUNÇÃO (Reuters) - A vitória de um ex-bispo nas eleições do Paraguai aponta para um amadurecimento da democracia na América Latina, mas após 61 anos no poder, o Partido Colorado, que perdeu a disputa, talvez dite o ritmo das eventuais mudanças.

Fernando Lugo, um esquerdista de ares gentis que abandonou a batina três anos atrás afirmando então sentir-se impotente para ajudar os pobres de seu país, conseguiu derrotar, na votação de domingo, os colorados com promessas de minorar as desigualdades e combater a corrupção.

"Pedimos a vocês que nunca nos abandonem. Construiremos juntos a democracia!," afirmou o ex-bispo católico, 56, de óculos e barba, a uma multidão de simpatizantes enquanto fogos de artifícios estouravam em Assunção, na noite de domingo.

"Hoje, desejamos renovar nosso compromisso com o povo paraguaio, com os mais pobres", acrescentou. "Faremos todo o possível para garantir que nosso povo seja respeitado e reconhecido daqui para frente por sua honestidade, e não por sua corrupção."

Lugo descreve a si mesmo como um político independente e manteve-se afastado dos dirigentes esquerdistas mais radicais da América Latina, como Hugo Chávez, da Venezuela, e Evo Morales, da Bolívia.

No entanto, o ex-bispo é visto como um aliado em potencial dos presidentes esquerdistas mais moderados da região, os quais rejeitaram tanto as ditaduras de direita, quanto os governos extremamente corruptos e as rebeliões marxistas tão comuns no final do século 20.

Lugo toma posse no dia 15 de agosto e prometeu realizar uma reforma agrária a fim de garantir que os agricultores pobres consigam arar sua própria terra em um país onde uma pequena e endinheirada elite é proprietária da maior parte das terras de cultivo e das fazendas de gado.

Quase quatro de cada dez paraguaios são pobres.

"Se há um candidato esquerdista claramente identificado com os pobres e se ele conseguir romper com o domínio do partido que há mais tempo encontrava-se no poder no mundo, um partido de direita, acho que isso mostra o quanto a América do Sul mudou e o quanto a democracia sedimentou-se na região", afirmou Mark Weisbrot, do Centro para Pesquisas Econômicas e Políticas, um instituto dos EUA.

"Não sabemos quanto Lugo mudará o governo, ou quando conseguirá mudar", acrescentou, observando que a poderosa máquina do Partido Colorado encontrava-se presente em todos os níveis do governo.

A decisão da candidata do Partido Colorado, Blanca Ovelar --que poderia ter se transformado na primeira mulher a comandar o Paraguai--, de reconhecer sua derrota quando os resultados apontavam que Lugo recebia 41 por cento dos votos e mantinha uma vantagem de 10 pontos percentuais, representa um bom começo.

O comparecimento às urnas foi considerado expressivo, de cerca de 65 por cento.

O Partido Colorado dominou o cenário político do Paraguai desde que subiu ao poder, em 1947. A legenda deu apoio à brutal ditadura de 35 anos comandada pelo general Alfredo Stroessner até mudar de postura e contribuir para derrubá-lo do governo, em 1989.

Nenhum partido deve obter uma maioria no Congresso, o que forçará Lugo a fechar acordos com rivais no legislativo para ter medidas aprovadas.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below