Coalizão paquistanesa rebate temores de ruptura sobre juízes

quinta-feira, 1 de maio de 2008 13:49 BRT
 

Por Firouz Sederat

DUBAI (Reuters) - Líderes da aliança que governa o Paquistão há um mês reduziram na quinta-feira suas divergências quanto à reintegração dos juízes afastados pelo presidente Pervez Musharraf para acalmar os temores de que a coalizão estaria prestes a se desfazer.

"A reunião fez avanços muito positivos. Estamos satisfeitos", disse a jornalistas o ex-primeiro-ministro Nawaz Sharif, depois de um segundo dia de conversações de emergência com Asif Ali Zardari, viúvo da falecida Benazir Bhutto.

O partido de Sharif e Zardari --que assumiu a liderança do Partido do Povo do Paquistão após o assassinato de Bhutto-- derrotaram os aliados de Musharraf na eleição parlamentar de fevereiro.

Formarem uma aliança pós-eleitoral e o governo, mas vêm se desentendendo em torno da promessa não cumprida de reintegrar os juízes afastados por Musharraf quando ele impôs o estado de emergência por seis semanas, em novembro.

Sharif e Zardari, cujo PPP lidera a coalizão de quatro partidos, tinham prometido que seu governo faria aprovar na Assembléia Nacional uma resolução para reintegrar os juízes, em um mês após sua posse.

O prazo auto-imposto terminou na quarta-feira. Falando após consultas com Zardari em Dubai, Nawaz Sharif disse que a resolução será aprovada, mesmo que com atraso.

"Não existem ambiguidades ou dúvidas sobre isso", disse Sharif. "Os detalhes serão anunciados amanhã."

A liderança da Liga Muçulmana do Paquistão (Nawaz), mais conhecida como PML-N, vai reunir-se em Lahore, no leste do Paquistão, na sexta-feira.   Continuação...