Novo escândalo atinge o presidente colombiano Álvaro Uribe

segunda-feira, 21 de abril de 2008 13:47 BRT
 

Por Hugh Bronstein

BOGOTÁ (Reuters) - Uma ex-deputada colombiana disse que o governo lhe ofereceu favores ilegais em troca de seu apoio a uma emenda que permitiu que o presidente Álvaro Uribe se candidatasse à reeleição em 2006. O presidente desmentiu a acusação.

Num vídeo, gravado em agosto de 2004 e transmitido na noite de domingo, a ex-deputada Yidis Medina disse que o governo prometeu favores em troca de seu apoio à modificação na lei, mas não cumpriu o prometido.

A Suprema Corte colombiana está investigando o caso, que, juntamente com um escândalo que vincula alguns dos aliados políticos mais próximos de Uribe com esquadrões da morte de extrema direita, pode complicar a aprovação de um acordo de livre comércio com os EUA.

O acordo está sendo bloqueado no Capitólio por democratas preocupados com o histórico de Uribe relativo aos direitos humanos.

Em 2004, Medina disse que funcionários da administração lhe ofereceram a oportunidade de nomear membros de três comissões locais em seu departamento (Estado) de Santander, o que lhe possibilitaria aumentar sua influência.

Ela disse que, em uma reunião, Uribe pediu seu apoio e afirmou que o governo honraria as promessas feitas a ela.

"Ele disse que queria salvar o país e queria mais tempo para completar seu programa", diz a deputada no vídeo.

O presidente, agora na metade de seu segundo mandato, negou as acusações.   Continuação...