Mortos e desaparecidos na China passam de 80 mil

quinta-feira, 22 de maio de 2008 10:24 BRT
 

Por Chris Buckley

YINGXIU, China (Reuters) - O governo chinês elevou na quinta-feira para mais de 80 mil o número de mortos e desaparecidos pelo terremoto da semana passada, o pior em várias décadas. Há temores de que epidemias, chuvas e tremores secundários provoquem mais sofrimento.

Até agora, as autoridades estimavam o total de vítimas fatais em cerca de 50 mil.

Dez dias depois do sismo de magnitude 7,9 no montanhoso sudoeste chinês, as equipes de resgate se dedicam a ajudar cerca de 5 milhões de desabrigados e milhões de outras pessoas que, sem terem perdido suas casas, estão suscetíveis a doenças e "desastres secundários".

O governo implorou à comunidade internacional por mais ajuda, dizendo que as vítimas precisam de 3 milhões de tendas, mas que até agora só 400 mil chegaram à região.

Os hospitais de Sichuan estão superlotados, com quase 300 mil pacientes, e o governo mobilizou trens adicionais para levar parte deles a outras áreas. Cerca de 100 mil soldados também participam das operações de ajuda.

"Há constantes tremores secundários, e a temporada de chuvas começa em junho, o terremoto amoleceu as montanhas (criando risco de deslizamentos)", disse o vice-ministro da Terra e dos Recursos, Yun Xiaosu.

Mais de 5.000 técnicos estão percorrendo centenas de aldeias devastadas para desinfetá-las. "Estamos mais preocupados com a peste, então a higiene ambiental é da máxima importância. Um movimento tão enorme de pessoas inevitavelmente significa que todos os tipos de vírus e bactérias se deslocam com elas. Também estamos com medo da meningite," disse à Reuters sob anonimato uma autoridade sanitária na localidade de Mianyang.

A peste bubônica se hospeda em roedores e é transmitida a humanos por pulgas. A meningite (inflamação da membrana que recobre o cérebro) é provocada por bactérias e vírus. Ambas as doenças podem ser fatais.   Continuação...

 
<p>Mortos e desaparecidos na China passam de 80 mil. O governo chin&ecirc;s elevou para mais de 80 mil o n&uacute;mero de mortos e desaparecidos pelo terremoto da semana passada, o pior em v&aacute;rias d&eacute;cadas. H&aacute; temores de que epidemias, chuvas e tremores secund&aacute;rios provoquem mais sofrimento. 22 de maio. Photo by Aly Song</p>