EUA tentam excluir G8 de discussões sobre corte de carbono

segunda-feira, 2 de junho de 2008 15:37 BRT
 

Por Jeremy Lovell

LONDRES, 2 de junho (Reuters) - O governo dos EUA está bloqueando os esforços para fazer com que o Grupo dos Oito (G8) estipule metas de corte para as emissões de carbono ao exigir que a responsabilidade seja compartilhada com as economias mais poluentes do mundo, revelou o esboço de uma declaração da futura cúpula dessa entidade a que a Reuters teve acesso.

Um projeto de declaração do encontro, com data de 5 de maio, mostra que os norte-americanos desejam que o principal fórum para os cortes na emissão seja a entidade conhecida como Maiores Emissores ou Maiores Economias, criada pelos EUA no ano passado e da qual participam o Brasil, a China e a Índia, além das grandes potências industriais do mundo, incluindo os membros do G8.

"Na opinião dos EUA, o local apropriado para tratar das metas de longo e médio prazo é a Declaração dos Líderes das Maiores Economias", afirmou um comentário acrescentado pelos norte-americanos ao projeto.

"Nós estaríamos dispostos a tratar das metas de médio prazo no G8 apenas se a Declaração dos Líderes das Maiores Economias não o fizer, e apenas se isso se der de uma forma que indique o comprometimento das grandes economias emergentes", disse.

A Cúpula do G8 que ocorre em Hokkaido, Japão, entre os dias 7 e 9 de julho deveria formalizar uma meta acertada um ano atrás de que as emissões de carbono sejam reduzidas, até 2050, para um patamar 50 por cento inferior ao registrado em 1990.

As pressões aumentam para que sejam acertadas também metas para 2020 e 2030, o que reforçaria o comprometimento de longo prazo. O projeto de declaração do G8, porém, não incluiu nenhuma meta de médio prazo e nem a meta para 2050.

Os EUA disseram que aceitarão metas compulsórias de corte nas emissões, mas isso apenas se os principais emissores do bloco dos países em desenvolvimento fizerem o mesmo -- algo com que esse conjunto de nações recusa-se a concordar.

Os comentários da União Européia (UE) a respeito do projeto de declaração do G8 cita a liderança que precisa ser exercida pelos países que integram esse grupo e afirma que as nações desenvolvidas devem aceitar diminuir suas emissões entre 25 e 40 por cento até 2020.   Continuação...