Chávez capitaliza com libertação de reféns colombianas

sexta-feira, 11 de janeiro de 2008 14:56 BRST
 

Por Frank Jack Daniel

CARACAS (Reuters) - O presidente da Venezuela, Hugo Chávez, que há pouco tempo enfrentou revezes em sua reforma socialista, obteve uma grande vitória política com a libertação na quinta-feira das duas reféns colombianas sequestradas havia anos por rebeldes marxistas.

O governo conservador da Colômbia havia ordenado a Chávez no ano passado que abandonasse as negociações com os guerrilheiros, mas Chávez insistiu e conseguiu a libertação de Clara Rojas e Consuelo González.

O acordo aumenta as esperanças pela soltura de outras dezenas de reféns mantidos em cativeiro em acampamentos secretos na selva, como a ex-presidenciável Ingrid Bettancourt, e foi uma recompensa a Chávez, que foi duramente criticado devido a uma operação frustrada de buscar as reféns na véspera do Ano Novo.

A libertação também foi bem recebida pela comunidade internacional.

Para alguns analistas, a reputação de Chávez saiu fortalecida, um mês depois da surpreendente vitória no referendo que ampliaria seus poderes. "Chávez pode dizer agora que é um líder regional comprometido com a paz", disse Michael Shifter, especialista em América Latina do centro de estudos Diálogo Interamericano.

Chávez levou as duas mulheres a Caracas e posou para fotos abraçado a elas, fazendo carinho no cabelo de Clara Rojas e segurando a neta de Consuelo González.

O venezuelano prometeu continuar trabalhando para soltar os reféns e convidou o governo colombiano e os líderes guerrilheiros a negociar em solo venezuelano. "Que comece um diálogo de paz, não só para liberá-los, que é o primeiro passo, mas para o segundo passo, que é a paz", disse ele.

"Não baixe a guarda, presidente. Os que ficaram (sequestrados) lhe mandam dizer isso, essa mensagem. O senhor está nos ajudando a voltar a viver", disse Consuelo González ao presidente.