Ataque aéreo dos EUA mata líder da Al Qaeda na Somália

quinta-feira, 1 de maio de 2008 13:47 BRT
 

MOGADÍSCIO (Reuters) - Aviões de guerra dos EUA mataram um rebelde islâmico que seria o líder da Al Qaeda na Somália e até 30 outras pessoas, na quinta-feira, no maior golpe dado por Washington até agora contra uma insurgência que começou em 2007.

Os rebeldes disseram que Aden Hashi Ayro -- que liderava os militantes da Al Shabaab responsabilizados por ataques a tropas do governo e seus aliados etíopes -- morreu na ação, o maior sucesso obtido numa série de ataques aéreos dos EUA contra insurgentes somalis nos últimos 12 meses.

"Aviões de infiéis bombardearam Dusamareb", disse à Reuters pelo telefone o porta-voz da Shabaab Mukhtar Ali Robow, referindo-se à cidade de Dusamareb, na região central da Somália, onde pedaços de corpos humanos ficaram espalhados em volta de uma casa destruída.

"Duas de nossas pessoas importantes morreram, incluindo Ayro."

Os EUA confirmaram sua responsabilidade pelo ataque.

A morte do militante treinado no Afeganistão deve reforçar os esforços do governo somali apoiado pelos EUA para frear uma rebelião que vem ganhando força. Mas certamente vai enfurecer os combatentes do grupo de Ayro, que dizem estar travando uma jihad (guerra santa) para expulsar as tropas etíopes do país.

Um morador local disse que 30 corpos foram recuperados dos destroços da casa atingida.

Ayro foi uma figura chave, autor intelectual da insurgência islâmica em estilo iraquiano, contra as tropas aliadas somali-etíopes. A violência vinha se intensificando nas últimas semanas, deixando dezenas de mortos em Mogadíscio e várias investidas de islâmicos contra cidades próximas à capital.

"Sua eliminação é muito importante", opinou M.J. Gohel, da Fundação Ásia-Pacífico, instituto de estudos de segurança com sede em Londres.   Continuação...