Favoritismo de mulheres na Argentina é "bom sinal", diz Bachelet

quinta-feira, 25 de outubro de 2007 18:19 BRST
 

SANTIAGO (Reuters) - A provável eleição de uma mulher como presidente da Argentina é um bom sinal na luta contra o machismo na América Latina, disse na quinta-feira a presidente do Chile, Michelle Bachelet.

Embora o governo chileno não comente o favoritismo da primeira-dama e senadora Cristina Kirchner para as eleições de domingo, o fato de que a segunda colocada nas pesquisas seja outra mulher, Elisa Carrió, já garante novos ares na região, segundo o porta-voz de Bachelet, Ricardo Lagos Weber.

"Duas mulheres [presidentes] num continente como a América Latina é um bom sinal de líderes mulheres encabeçando governos. Isso não é comum na América Latina, que de fora é vista como um continente do macho latino", disse Lagos Weber a jornalistas estrangeiros, acrescentando que "isso era impensável há 30 anos, para ser bem franco. Não havia espaços."

As pesquisas argentinas indicam de 39,1 a 47,9 por cento das intenções de voto para Cristina Kirchner, seguida de longe por Carrió.