Presidente da Bolívia minimiza movimentos de autonomia no país

terça-feira, 3 de junho de 2008 10:13 BRT
 

LA PAZ (Reuters) - O presidente da Bolívia, Evo Morales, minimizou na segunda-feira a importância dos movimentos de autonomia de regiões bolivianas e assegurou que só o referendo revogatório de 10 de agosto, que põe em jogo o mandato dele e dos governadores, pode levar ao fim da crise política.

No domingo, dois Departamentos amazônicos (Beni e Pando) realizaram um referendo que aprovou o estatuto de autonomia dessas regiões, que se somam assim ao rico Departamento de Santa Cruz, que já havia declarado sua autonomia em 4 de maio.

Em entrevista coletiva na noite de segunda-feira, Morales disse que não reconhecerá esses processos, que segundo ele violam a atual Constituição.

Embora manifeste apoio a um diálogo político aberto no Congresso, Morales foi enfático ao declarar que seu principal interesse é o referendo revogatório sobre os mandatos dele próprio e dos nove governadores, a maioria de oposição.

Morales, que em julho chega à metade do seu mandato, afirmou que a autonomia dos Departamentos do norte e leste, as terras baixas da Bolívia, é uma idéia da elite de direita, com escasso apoio popular. Na opinião do presidente, a elevada abstenção nos referendos autonomistas revela "uma rebelião do povo contra os caciques".

"Em alguns Departamentos se engana o povo com falsas mensagens, (mas) o processo de mudança vai continuar graças à consciência do povo boliviano."

"O melhor é um (referendo) revogatório, para que o povo nos julgue, não há por que ter medo do povo, é preciso se submeter ao povo", acrescentou ele, antevendo que alguns governadores serão destituídos.

O Departamento de Tarija (rico em gás) vota sua autonomia no próximo dia 22.

O processo das autonomias regionais paralisou por quase seis meses o trabalho da Assembléia Constituinte boliviana. O governo diz que é possível conciliar as autonomias com a nova Carta, mas o principal partido de oposição reluta em negociar.

(Por Carlos Alberto Quiroga)