Adiada para novembro entrada de 3 plataformas da PETROBRAS

sexta-feira, 26 de outubro de 2007 12:56 BRST
 

RIO DE JANEIRO, 26 de outubro (Reuters) - Com algumas semanas de atraso, três plataformas da Petrobras que estavam previstas para entrar em operação em outubro começarão a produzir petróleo e gás nas duas primeiras semanas de novembro, informou o gerente de Exploração e Produção da estatal, Francisco Nepomuceno, nesta sexta-feira.

Segundo o executivo, apesar do atraso, a meta de atingir o pico de 2 milhões de barris diários no final do ano não está descartada.

"Estamos nos esforçando para isso", disse Nepomuceno a jornalistas durante visita do presidente Luiz Inácio Lula da Silva ao centro de pesquisa da Petrobras, Cenpes. Nem Lula nem o presidente da Petrobras, José Sérgio Gabrielli, falaram com os jornalistas.

As plataformas P-52 e P-54, que serão instaladas no campo de Roncador, e a Cidade Vitória, no campo de Golfinho, ambas na bacia de Campos, no Rio de Janeiro, vão acrescentar 460 mil barris diários de petróleo à produção da estatal quando atingirem o pleno funcionamento. Este ano, elas devem contribuir com no máximo mais 150 mil barris diários.

Segundo o executivo, a P-52 já está ancorada no campo de Roncador para entrar em produção nos próximos dias e em seis meses deve atingir o pico de 180 mil barris diários. A P-54 está fazendo testes finais de flutuação e segue para Roncador em seis dias, e Cidade Vitória já está conectada aos poços.

"Está tudo entrando agora, Cidade Vitória pode ser ainda no final deste mês", disse, sobre a plataforma que no auge estará produzindo 100 mil barris diários. "O mercado está forte e era para entrar em cima disso", complementou, referindo-se ao patamar dos preços do óleo no mercado internacional.

O petróleo atingiu nova máxima nesta sexta-feira, batendo 92 dólares o barril em negócios com futuros em Nova York.

Segundo Nepobuceno, o atraso das plataformas se deveu a problemas técnicos devido à complexidade dos projetos.

A plataforma P-25, cuja operação foi suspensa no dia 16 de outubro, por uma falha em um duto, deverá voltar a operar antes do esperado para ajudar a não reduzir ainda mais a produção.

"Ia ser em 12 dias (a volta) mas resolvemos antecipar e já está voltando", disse Nepomuceno, sem saber informar se o retorno seria nesta sexta-feira. Ele negou também que a empresa esteja prorrogando manutenções de plataformas para garantir maior produção.

"Já fizemos todas as programadas", afirmou.