Petróleo é "vaca sagrada" na crítica do biocombustível--Lula

sábado, 17 de maio de 2008 18:04 BRT
 

LIMA (Reuters) - O presidente brasileiro Luiz Inácio Lula da Silva afirmou no sábado que o petróleo é uma "vaca sagrada" cujo preço vem subindo muito sem ser alvo de crítica alguma no mundo, apesar de essa alta também prejudicar a agricultura e os alimentos.

O Brasil é grande produtor de biocombustíveis e utiliza terras agrícolas para sua produção, fato que vem suscitando críticas mundiais a essa indústria, à qual culpam por gerar fome e o desmatamento da Amazônia.

Lula falou numa reunião com o presidente peruano, Alan García, e empresários de ambos os países, um dia depois de participar na 5a Cúpula de líderes da América Latina, Caribe e União Européia, realizada em Lima.

"Alan, ontem não vi nenhum europeu falar do aumento do preço do petróleo. O petróleo é como se fosse uma vaca sagrada que aumenta de 30 dólares o barril para 124, e não existe nenhuma crítica em nenhum lugar do mundo. Isso é normal?", disse Lula em seu discurso na ocasião.

"Ninguém quer discutir as consequências do preço do petróleo sobre a produção de fertilizantes para a agricultura, ninguém quer falar do efeito do preço do petróleo sobre o transporte dos alimentos que produzimos --querem dizer que é o biodiesel", acrescentou.

A América Latina é uma das maiores produtoras mundiais de matérias-primas alimentícias e luta para que a Europa desmonte um sistema de proteção de seus produtores agropecuários, o que mantém distante algum acordo comercial entre os dois continentes.

Ademais, a região está dividida em relação a qual deve ser o destino final de seus cultivos, com o Brasil incentivando a produção de biocombustível e a Venezuela liderando um grupo de países que rejeitam o uso de alimentos para produzir combustíveis.

"Agora nós somos responsáveis pela alta do preço dos alimentos. O biodiesel é uma invenção extraordinária que, por enquanto, só o Brasil continua produzindo, mas que já produzia antes dessa história do biodiesel", acrescentou Lula.

Para o Brasil, por trás dessa discussão estão os países desenvolvidos que querem manter seus subsídios agrícolas.   Continuação...