Desemprego em janeiro é o 2o menor da série histórica

quinta-feira, 28 de fevereiro de 2008 10:18 BRT
 

RIO DE JANEIRO (Reuters) - A dispensa de funcionários temporários, principalmente no comércio de São Paulo, provocou uma alta na taxa de desemprego em janeiro de 2008, mas ela foi a segunda menor desde 2002 e o mercado de trabalho em geral apresentou dados positivos na início do ano.

A taxa de desemprego nas seis maiores regiões metropolitanas do país ficou em 8,0 por cento em janeiro, seguindo a leitura de 7,4 por cento em dezembro, que havia sido a menor da série histórica iniciada em 2002, informou nesta quinta-feira pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

"A taxa subiu porque não há como janeiro ser menor que dezembro. Isso é sazonal. Você tem dispensas e maior procura por trabalho com mais dias úteis", disse o economista do IBGE Cimar Pereira.

"(Mas) o cenário para 2008 é visivelmente muito favorável. A taxa de janeiro é a segunda menor da série. O rendimento sobe na (comparação) anual e o emprego com carteira está com tendência de alta. Olhando por dentro da pesquisa os resultados são muitos positivos."

Segundo o Instituto, de dezembro para janeiro o número de ocupados caiu em 120 mil pessoas (-0,6 por cento) e só o comércio dispensou 155 mil pessoas. Desse total, 115 mil empregados do comércio foram liberados em São Paulo.

"São Paulo sempre está à frente do resto do Brasil. Lá as coisas acontecem primeiro e depois têm repercussão nacional. O dado positivo é que mesmo com as dispensas houve contratações em outros setores, como serviços prestados à empresa", frisou Pereira ao destacar que esse segmento ampliou o quadro de empregados de dezembro para janeiro em 100 mil pessoas --alta de 3,3 por cento.

O IBGE informou ainda que a taxa de desemprego ficou abaixo dos 2 milhões em um mês de janeiro pela primeira vez na série histórica. O total de desocupados cresceu 7,5 por cento mês a mês, para 1,842 milhão de pessoas, e caiu 12,1 por cento sobre janeiro de 2007.

O número de pessoas ocupadas caiu 0,6 por cento em janeiro sobre dezembro e subiu 3,6 por cento na comparação anual, para 21,261 milhões.

Mais um dado positivo, ressaltou Pereira, é o fato de que mais da metade do mercado de trabalho já tem carteira assinada.

O IBGE acrescentou que o rendimento dos trabalhadores ficou estável na comparação com dezembro e subiu 3,4 por cento ano a ano.

(Reportagem de Rodrigo Viga Gaier; Edição de Vanessa Stelzer)