Indecisos dão esperança a Obama na corrida à Casa Branca

quarta-feira, 21 de novembro de 2007 14:46 BRST
 

Por Jason Szep e Ellen Wulfhorst

ALTON, Estados Unidos (Reuters) - David Tothill não é nem republicano nem democrata, mas sabe bem o que quer na corrida de 2008 à Casa Branca -- uma cara nova.

"Gostaria de acreditar que podemos ter um líder cujo sobrenome não seja nem Bush nem Clinton", disse o engenheiro aposentado de 53 anos, depois de ouvir o discurso do pré-candidato democrata Barack Obama.

"Gosto do que Obama tem a dizer."

O senador por Illinois, que está em seu primeiro mandato, conta com eleitores como Tothill, um dos muitos independentes que podem votar nas primárias republicanas ou democratas no influente Estado de New Hampshire, nos primeiros estágios da corrida presidencial que culminará em novembro de 2008.

A missão de Obama não é fácil. A senadora Hillary Clinton lidera as pesquisas nacionais e as de New Hampshire a seis semanas do início da batalha Estado a Estado pela vaga na chapa do Partido Democrata.

Uma pesquisa CNN/WMUR feita pela Universidade de New Hampshire e divulgada na terça-feira mostrou que Hillary abriu sua vantagem para nove pontos percentuais no Estado que por tradição realiza a primeira primária presidencial. A esperança de Obama é que a pesquisa mostrou que quase metade dos eleitores democratas não estão totalmente decididos.

E há sinais de que a luta pela vaga de presidenciável entre os democratas está ficando mais acirrada. Uma pesquisa Washington Post-ABC News mostrou na segunda-feira que Obama abriu quatro pontos de vantagem em Iowa, dentro da margem de erro.

A pesquisa nacional Reuters/Zogby divulgada na quarta-feira mostrou que Obama está diminuindo a desvantagem para Hillary -- ela tem 38 por cento das intenções de voto e ele, 27. No mês passado, a vantagem de Hillary era de quase o dobro: 21 pontos percentuais (46 a 25 por cento).   Continuação...