Dilma critica qualidade de projetos herdados, "que travam o PAC"

segunda-feira, 5 de maio de 2008 16:28 BRT
 

RIO DE JANEIRO (Reuters) - Um dos empecilhos do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) é a baixa qualidade dos projetos herdados pelo governo federal, de acordo com a ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff.

Segundo ela, faltam bons projetos executivos no país para dar mais celeridade ao programa do governo.

"O que é que trava o PAC? É a qualidade dos projetos que nós herdamos. Nós não herdamos (projetos) nem na área de energia, nem de logística, isso vale para rodovia, ferrovia, aeroportos. Tivemos que fazer projetos e com alguns que tentamos recuperar tivemos problemas no TCU (tribunal de Contas da União)", disse a ministra em sabatina feita por empresários e jornalistas do grupo de comunicação RBS, em Santa Catarina.

Coordenadora do PAC, Dilma negou que o programa tenha caráter eleitoreiro e afirmou que não é candidata a sucessão presidencial em 2010.

"Não sou candidata à Presidência da República. A troco de que se antecipa o mandato de três anos (que ainda resta ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva) e se passa a discutir o que vai acontecer em 2010?", questionou.

A ministra confirmou que irá ao Congresso Nacional essa semana para falar sobre o PAC e acrescentou que "vai responder sem problema" se for questionada sobre o suposto dossiê com informações sobre gastos sigilosos do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso.

Para Dilma Rousseff, o MST -- Movimento dos Trabalhadores Sem Terra -- teve reduzida sua base social pela maior cobertura que o governo federal tem dado às necessidades do país.

"O Brasil melhorou as condições econômicas, políticas e sociais de tal forma que certo tipo de demanda que não era atendida, hoje é", disse Dilma.

Ela afirmou que um conjunto de políticas, que vai do Bolsa Família ao salário mínimo, assegura a ascensão e a inclusão social de muitos brasileiros.

A ministra criticou aqueles que defendem o uso da força contra os movimentos sociais. "Acho que se o MST for tratado no esquema prende e arrebenta, haverá um nível de conflito abusivo e incompatível com a tradição democrática do país." (Reportagem de Rodrigo Viga Gaier)