Agricultores argentinos bloqueiam mais estradas e mantêm greve

terça-feira, 25 de março de 2008 15:55 BRT
 

BUENOS AIRES (Reuters) - Agricultores argentinos bloquearam mais estradas na terça-feira, em meio a uma greve iniciada para protestar contra o aumento dos impostos que incidem sobre a exportação de grãos.

Durante as ações, depararam-se com caminhoneiros ansiosos para verem as rodovias liberadas.

Os negócios nos maiores mercados de grão e de gado estão paralisados desde o início do protesto, no dia 13 de março, e o bloqueio de estradas em áreas rurais ampliou-se nos últimos dias.

Meios de comunicação argentinos afirmaram que já falta carne e laticínios em supermercados de Buenos Aires. Líderes dos agricultores devem reunir-se na terça-feira para decidir sobre se continuam ou não com as manifestações.

O setor exige que o governo cancele uma alteração na estrutura do imposto de exportação, que criou tarifas mais altas para a soja e os produtos derivados do girassol. Autoridades do país, no entanto, recusaram-se a atender a essas demandas e a negociar sob pressão.

O ministro argentino da Justiça, Aníbal Fernández, afirmou a uma rádio do país que o governo deseja travar um diálogo, mas que não permitirá aos agricultores que decidam sobre "como as coisas devem ser feitas."

Os agricultores em greve não estão enviando seus produtos para os mercados e o estoque dos beneficiadores de soja começa a esgotar-se. Algumas empresas de grão alegaram "força maior" para descumprir seus contratos na semana passada, desviando seus carregamentos de soja para os EUA.

A manifestação na Argentina, maior fornecedor mundial de óleo e carne de soja, também pressiona a moeda do país, o peso, devido a uma redução do influxo de capital advindo das exportações agrícolas.

Os bloqueios nas estradas, porém, tornou-se o aspecto mais visível do protesto. Em algumas áreas, caminhoneiros impacientes começaram a desmontar os bloqueios eles próprios.   Continuação...