Brasil é incapaz de preservar a Amazônia, dizem ambientalistas

quinta-feira, 31 de janeiro de 2008 19:31 BRST
 

Por Raymond Colitt

BRASÍLIA (Reuters) - O governo federal não tem disposição nem capacidade para conter a devastação da Amazônia, apesar das medidas emergenciais anunciadas na semana passada, segundo especialistas.

O preço elevado dos produtos agrícolas no mercado mundial estimula agropecuaristas a avançarem sobre a Amazônia em busca de terras baratas e desocupadas, de acordo com ambientalistas.

Entre agosto e dezembro de 2007, foram devastados 7.000 quilômetros quadrados de florestas, segundo estimativas do governo, o que representa dois terços da taxa anual.

Em resposta a esses dados, o governo Lula proibiu a extração de madeira em 36 municípios com taxa elevada de desmatamento e também cortou créditos agrícolas para essas localidades.

Anunciou também a proibição do comércio de produtos de áreas desmatadas ilegalmente e o registro obrigatório de todas as propriedades para evitar a ocupação clandestina de terras.

Na quarta-feira, no entanto, enquanto a ministra do Meio Ambiente sobrevoava áreas de floresta desmatadas na região de Mato Grosso, o presidente Lula minimizava a gravidade da situação.

"A notícia é preocupante, mas é como se tivesse uma coceira e achasse que é uma doença mais grave", disse Lula a jornalistas em São Paulo. Segundo o presidente, o Brasil pode reverter esse quadro neste ano.

A ministra, mesmo sob pressão de produtores rurais e agricultores mato-grossenses, disse que os dados apontando aumento da devastação estão corretos. "Vamos agir com sentido de urgência. Neste ano, com maior rigor."   Continuação...

 
<p>A ministra do Meio-Ambiente, Marina Silva, fala a rep&oacute;rteres ao lado do ministro da Justi&ccedil;a, Tarso Genro, sobre desmatamento na Amaz&ocirc;nia, em Bras&iacute;lia, 30 de janeiro. Especialistas disseram nesta quinta-feira que o governo n&atilde;o tem disposi&ccedil;&atilde;o nem capacidade para conter a devasta&ccedil;&atilde;o. Photo by Jamil Bittar</p>