Estudantes franceses vão às ruas, protestos anti-reforma crescem

quinta-feira, 8 de novembro de 2007 16:04 BRST
 

Por François Murphy

PARIS (Reuters) - Estudantes franceses protestaram contra as reformas do presidente Nicolas Sarkozy pelas ruas de Paris, nesta quinta-feira, e foram acusados pelo governo de tentar se aproveitar das manifestações contra a reforma previdenciária.

Centenas de estudantes fizeram passeata desde a praça da Bastilha com cartazes que diziam: "Juntos tudo é possível" e "Cultura de graça, educação pública".

O governo já enfrenta a ameaça de grandes paralisações trabalhistas na semana que vem por causa dos planos de reforma previdenciária.

E agora os alunos começaram a ocupar prédios de faculdade para protestar contra a reforma universitária, que já foi aprovada.

A nova legislação injeta 1 bilhão de euros na educação superior, dá às universidades mais liberdade para escolher seus alunos e abre caminho para a maior participação de escolas privadas no setor.

A maior organização estudantil da França, a Unef, convocou os estudantes a participar da manifestação dos funcionários públicos marcada para 20 de novembro, mas alunos de universidades mais ativistas da região de Paris decidiram fazer a passeata já na quinta-feira.

"É a escravização das universidades aos interesses das empresas", disse Igor Zamichiei, secretário nacional da União de Estudantes Comunistas.

As entidades estudantis alegam que a lei não trata da pobreza dos estudantes e que vai criar um sistema dividido preocupado em financiar umas poucas instituições de elite. Mas o governo vê motivações políticas e diz que os estudantes só estão capitalizando com os outros protestos.   Continuação...