Pequenas mineradoras ficam mais seletivas com aperto n crédito

quarta-feira, 9 de abril de 2008 13:59 BRT
 

Por Marcelo Teixeira

SANTIAGO (Reuters) - As dificuldades encontradas no mercado para levantar capital para projetos que exijam investimentos mais altos farão com que as mineradoras de cobre de menor porte avaliem com mais cautela seus planos, disseram representantes de companhias do setor na quarta-feira.

"Temos de buscar operações que possuam uma classificação relativamente boa e excelente infra-estrutura", afirmou Hugh Callaghan, presidente da Tamaya Resources, durante uma apresentação na conferência de cobre CRU, no Chile.

"Os bancos não financiarão projetos que precisem de muito capital para empresas pequenas até sentirem-se confortáveis com o custo de 3 dólares por libra-peso", disse o diretor da mineradora australiana.

Os preços do cobre atingiram 4 dólares a libra-peso recentemente, mas algumas companhias financeiras, de acordo com Callaghan, não acreditam que o produto sustentará este novo patamar de preço no longo prazo, fator que pode inibir grandes financiamentos para empresas menores.

Sanjey Bhoowanpursadh, que realiza pequenos negócios por meio de financiamentos no Nedbank Capital, reconheceu as dificuldades para as companhias pequenas no setor de cobre, como localização e mão-de-obra qualificada, mas afirmou que o mercado oferece um nicho interessante para este segmento.

Segundo ele, a produção do mineral deve continuar crescendo até 2010, quando deve atingir 18,4 milhões de toneladas, mas deve diminuir a partir deste ponto devido ao ciclo natural de produção das minas.

"No longo prazo, as mineradoras menores podem ajudar a equilibrar o déficit de cobre no mercado por meio da reativação de minas antigas", disse Bhoowanpursadh, acrescentando que a demanda continuará firme por conta da expansão asiática.

Para Callaghan, o Chile é a melhor opção para os pequenos produtores de cobre por conta da boa infra-estrutura, que mantém os custos baixos.

A mineradora Tamaya controla a Compañía Minera Punitaqui, no Chile, onde produz 12 mil toneladas de catodos de cobre.