Petistas pedem intervenção em BH por aliança com Aécio

quinta-feira, 28 de agosto de 2008 19:11 BRT
 

Por Marcelo Portela

BELO HORIZONTE (Reuters) - Na próxima semana, a direção nacional do PT deve se reunir para decidir sobre a solicitação de intervenção no diretório municipal do partido em Belo Horizonte.

A intervenção foi pedida por petistas mineiros que não concordam com a parceria entre o prefeito Fernando Pimentel (PT) e o governador Aécio Neves (PSDB) em torno da candidatura de Márcio Lacerda (PSB) à prefeitura da capital.

No documento, recebido pelo PT na quarta-feira, além da intervenção no diretório municipal, o grupo dissidente quer que Pimentel e o deputado estadual Roberto Carvalho, candidato a vice, recebam uma censura pública e sejam proibidos de participar de qualquer ato de campanha que tenha a presença de Aécio, inclusive nos programas veiculados no horário eleitoral gratuito nas emissoras de rádio e TV.

Segundo Luiz Baku, um dos signatários do documento, o diretório municipal estaria descumprindo decisão do diretório nacional, que vetou a aliança com os tucanos. Baku diz que devem ir a Brasília para participar da reunião extraordinária que discutirá o assunto.

"Pretendemos levar cópias dos programas eleitorais com a participação do Aécio Neves para mostrar que estão descumprindo a determinação do partido", observa.

O documento faz críticas contra a parceria entre Pimentel e Aécio, que, de acordo com os dissidentes, tem o objetivo de alavancar as candidaturas do prefeito e do governador em 2010.

"Em nome de um 'projeto político maior' que nunca se explicou qual seja, mas que todos sabemos que se trata de projetos pessoais do governador Aécio e do prefeito Pimentel com vistas aos Palácios do Planalto e da Liberdade, respectivamente, forjou-se uma aliança que desrespeitou e enfraqueceu os partidos, empobreceu o debate político e dispensou a efetiva participação cidadã. Nenhum sacrifício foi obstáculo para o projeto personalista colocado em andamento", diz o texto.

"Não há como desconsiderar a violação da resolução do Diretório Nacional e o processo sistemático de desconstrução do PT nas eleições municipais de Belo Horizonte", acrescenta.

Os dissidentes também se reúnem nesta quinta-feira com a candidata do PCdoB à prefeitura, Jô Moraes, para traçar estratégias de apoio à sua campanha.

O presidente do diretório municipal do PT, Aluísio Marques, afirma que não está preocupado com o pedido e descarta intervenção. "Quantas vezes pediram isso antes?", indaga. "É firula. Não tem a menor chance de acontecer. A candidatura vai ser decidida pelo eleitor, não no tapetão", conclui.