Ipea apura ascensão social de 14mi de brasileiros de 2001 a 2007

segunda-feira, 22 de setembro de 2008 15:45 BRT
 

RIO DE JANEIRO (Reuters) - Quase 14 milhões de brasileiros ascenderam socialmente no país entre 2001 e 2007, de acordo com um estudo do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea).

De acordo com a pesquisa Pobreza e Mudança Social, 10,2 milhões de brasileiros passaram da classe de renda mais baixa (até 545,66 reais) para a faixa de renda média (de 545,66 a 1.350,82 reais), e 3,6 milhões saltaram da renda média para a classe mais alta (acima de 1.350,82 reais).

A pesquisa foi feita com base nos dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio (Pnad) do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

No período, o Produto Interno Bruto (PIB) aumentou 23,8 por cento e a renda familiar per capita 15,6 por cento.

"As pessoas caminharam socialemente superando a inflação e o crescimento médio do país entre 2001 e 2007", disse a jornalistas o economista do Ipea, Ricardo Amorim.

"Foi uma mobilidade social importante no país que não se via há muito tempo, desde os anos oitenta", acrescentou ele, creditando essa ascensão aos programas de transferência de renda (Bolsa Família), à política de aumento real do salário mínimo e ao crescimento mais forte da economia.

O Ipea traçou também um perfil do brasileiro que avançou socialmente.

"Para os estratos mais baixos há influência mais forte do salário mínimo e transferêncais de renda e para a renda maior há um claro impacto do mercado de trabalho melhor", disse Amorim.

(Rodrigo Viga Gaier; Edição de Vanessa Stelzer)