Em tempo de instabilidade, Itaú lança fundo "imune a emoções"

sexta-feira, 1 de agosto de 2008 16:48 BRT
 

Por Aluísio Alves

SÃO PAULO (Reuters) - Buscar rentabilidade superior num momento de alta instabilidade dos mercados, com uma estratégia de gestão imune a fortes emoções, é a proposta de um fundo que a Kinea, empresa de investimentos do Itaú, lança na próxima segunda-feira.

Batizado de Kinea Sistemático, o fundo tem a gestão delineada por um sistema que analisa padrões históricos de comportamento dos ativos, com base em dados matemáticos.

"Os modelos estatísticos permitem a adoção de processos racionais de investimento, sem a interferência de fatores subjetivos na tomada de decisões por parte do gestor", afirmou à Reuters Márcio Verri, presidente da Kinea.

Com o fundo, a gestora pretende atingir retornos superiores aos do CDI no longo prazo (12 meses), com uma mescla de investimentos em títulos de renda fixa e variável, e o uso de alavancagem.

"Cabe ao gestor acompanhar a evolução da carteira para verificar se o modelo precisa de ajustes, para garantir um desempenho consistente", acrescentou Verri.

O próprio profissional admite, porém, que o produto não é para cardíacos, já que a volatilidade de curto prazo das cotas de fundo tende a ser maior do que a da média do mercado. "O fundo é para um público educado em investimentos."

O valor mínimo de investimento foi fixado em 50 mil reais. Ainda assim, a expectativa dos gestores é de que, só na primeira fase de captação, a carteira atinja 400 milhões de reais.

A Kinea definiu para o fundo taxa de administração de 1,5 por cento ao ano, além de taxa de performance de 20 por cento do que exceder o CDI. O resgate dos rendimentos só poderá ser efetuado em sete dias úteis após a solicitação.

Verri adiantou que a Kinea também prepara o lançamento de fundos para investidores estrangeiros em até seis meses, com benchmark em dólar.

Criada em agosto de 2007, a Kinea é uma empresa de investimentos alternativos do Itaú com gestão e operação independentes. Está dividida em duas operações, a de hedge funds (fundos multimercado) e a de fundos de participações em incorporação imobiliária, que já concluiu em abril uma primeira captação de 50 milhões de reais.