JURO-Inflação mais amena permite queda das taxas na BM&F

sexta-feira, 1 de agosto de 2008 16:11 BRT
 

Por Silvio Cascione

SÃO PAULO, 1o de agosto (Reuters) - O alívio em um índice de inflação abriu espaço para que a maioria das projeções de juros terminasse a sexta-feira em baixa na Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F).

O contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) mais negociado foi novamente o janeiro de 2010, que caiu de 14,88 a 14,77 por cento ao ano.

O DI janeiro de 2009 terminou estável, a 13,71 por cento, e o DI janeiro de 2012 --segundo mais procurado no dia-- recuou de 14,15 por cento para 13,95 por cento.

O mercado começou o dia aliviado com a desaceleração do Índice de Preços ao Consumidor Semanal (IPC-S) em julho. O indicador, com alta de 0,53 por cento, teve o menor resultado desde a quarta semana de março e surpreendeu analistas.

"O IPC-S veio um pouco mais baixo do que era a expectativa do mercado", disse Gerson de Nobrega, gerente da tesouraria do Banco Alfa de Investimento.

"A tendência é de que no mês de agosto a inflação seja bem menor do que foi em junho e julho, e isso dá um espaço maior para essas taxas se reduzirem."

A agenda econômica também teve a produção industrial brasileira. Em junho, o crescimento foi de 2,7 por cento ante maio e de 6,6 por cento em relação ao mesmo mês do ano passado.

O número, que superou ligeiramente a expectativa de analistas, representou expansão de 6,3 por cento da produção no primeiro semestre.

O Banco Central recolheu 39,839 bilhões de reais do sistema bancário, até segunda-feira, com taxa de 12,93 por cento ao ano. O BC fez também duas operações compromissadas, com prazo de cinco e sete meses.

(Edição de Daniela Machado)