Bancos latinos devem crescer menos no 2o semestre, diz S&P

segunda-feira, 1 de outubro de 2007 15:16 BRT
 

CIDADE DO MÉXICO, 1o de outubro (Reuters) - Os bancos latino-americanos, que apresentaram sólida expansão no primeiro semestre de 2007, podem diminuir seu ritmo de crescimento para níveis mais "razoáveis" até o final do ano, por conta de uma desaceleração no consumo e no crédito, afirmou a Standard & Poor's nesta segunda-feira.

Contudo, a agência de classificação de risco sustentou que os ganhos obtidos na primeira metade do ano ajudarão a compensar os resultados não tão bons que se projetam para o segundo semestre.

A S&P disse em comunicado que os maiores custos de financiamento, entre outros fatores, afetaram com diferente intensidade os ganhos dos bancos na América Latina.

Os bancos de alguns países como Brasil, Chile, México e Peru estão "numa posição melhor" para lidar com a desaceleração e devem sofrer menores efeitos da crise global em suas rentabilidades, em parte por conta de fontes alternativas de financiamento, afirmou a S&P.

Mas os bancos argentinos podem ser mais afetados porque os debilitados bônus do governo constituem uma parte muito importante de suas carteiras de ativos.