Presidente da Vale vê mercado de metais aquecido até 2010

segunda-feira, 1 de outubro de 2007 22:20 BRT
 

RIO DE JANEIRO (Reuters) - O presidente-executivo da Companhia Vale do Rio Doce, Roger Agnelli, disse que o mercado de metais deve permanecer aquecido até 2010, ajudado pela forte demanda por níquel, cobre e minério de ferro.

"O mercado continua muito forte, não só para minério de ferro, mas para níquel, cobre e commodities metálicas em geral. Elas estão no momento bastante demandadas, principalmente pelo crescimento na Ásia", disse o executivo a jornalistas após ser premiado pelo Jornal do Comércio, em festa de comemoração pelos 180 anos da publicação.

"Não tem nenhum sinal de enfraquecimento do mercado. O número de novas minas está restrito. A economia mundial, na área de recursos naturais está muito aquecida, os custos de investimento estão subindo fortemente, as restrições ambientais têm atrasado a entrada de projetos", acrescentou Agnelli.

"Todos trabalham no limite da capacidade", concluiu Agnelli. Ele disse ainda que vê um "cenário muito positivo" para a Vale e que a companhia espera "acelerar fortemente" seus investimentos.

Na última sexta-feira, a Vale superou a Petrobras em valor de mercado e, segundo Agnelli, a mineradora encerrou o pregão desta segunda-feira à frente da IBM, chegando à 31a posição entre as maiores empresas do mundo, que pertencia à fabricante norte-americana de computadores.

"Isso tem a ver com a disciplina financeira da companhia, com a estratégia traçada pela companhia, tem a ver com o mercado muito forte lá fora, puxado pela China e com a aquisição da Inco, que dobrou o tamanho da Vale", analisou o executivo.

(Por Rodrigo Viga Gaier)