Marta quer atrair voto tucano e diz que apoio não é inédito

quarta-feira, 1 de outubro de 2008 18:08 BRT
 

SÃO PAULO, 1o de outubro (Reuters) - A candidata do PT à prefeitura de São Paulo, Marta Suplicy, afirmou que tem chance de conseguir atrair votos do PSDB no segundo turno da disputa pela prefeitura de São Paulo, caso se confirme que o ex-governador tucano Geraldo Alckmin estará fora do páreo, como indica pesquisa divulgada nesta quarta-feira.

"Eu já dei votos para o PSDB quando (Mario) Covas foi candidato e o PSDB já deu votos para mim quando eu disputei com o (Paulo) Maluf. Então não é inédito", disse Marta a jornalistas durante econtro com moradores do bairro do Grajaú, na região sul da cidade, reduto petista.

Ela ressalvou, no entanto, que o primeiro turno, que se realiza no domingo, ainda não está definido. De acordo com o Datafolha, o prefeito de São Paulo e candidato Gilberto Kassab (DEM) atingiu 27 por cento das intenções de voto, abrindo oito pontos sobre Alckmin, que ficou com 19 por cento. Marta mantém a liderança com 35 por cento.

"Eu não concordo que isso está definido. Não sabemos quem vai para o segundo turno até a abertura das urnas", afirmou a ex-prefeita, que administrou a cidade entre 2001 e 2004 e perdeu a tentativa de reeleição.

Marta disse que está tranquila para concorrer com qualquer adversário porque durante todo o primeiro turno ela esteve à frente dos demais candidatos. "No segundo turno são dois campos que digladiam."

A candidata admitiu que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva deve retornar a São Paulo para apoiá-la e que sua presença dependerá de disponibilidade de agenda.

(Reportagem de Carmen Munari; Edição de Mair Pena Neto)