Piora externa interrompe sequência de baixas do dólar

quinta-feira, 1 de novembro de 2007 16:21 BRST
 

Por Silvio Cascione

SÃO PAULO (Reuters) - O aumento da aversão a risco nos mercados internacionais interrompeu a sequência de quedas do dólar nesta quinta-feira. A alta foi limitada, contudo, pela contínua entrada de recursos no país.

A moeda norte-americana fechou em alta de 0,58 por cento, a 1,748 real. O dólar havia caído nas cinco sessões anteriores, atingindo o menor nível desde março de 2000.

O dólar já começou o dia em alta, reagindo ao comunicado emitido na véspera pelo Federal Reserve junto com a decisão de cortar o juro norte-americano em 0,25 ponto percentual. O documento sinalizou, na opinião de analistas, que a próxima reunião não resultará na terceira redução seguida.

Mais tarde, notícias ruins no setor financeiro --como a avaliação negativa sobre o Citigroup -- abalaram as bolsas de valores e provocaram um salto na aversão a risco; os principais índices em Wall Street atingiram 2 por cento de queda, ao mesmo tempo em que o risco Brasil subia 14 pontos.

"O mercado sofreu de manhã alguns ajustes, até em função desse mau humor externo inesperado", disse Carlos Alberto Postigo, operador de câmbio da corretora Action.

Mas o mercado de câmbio, na segunda metade da sessão, abandonou a pressão pela alta do dólar --que chegou a subir quase 1 por cento-- e viu a moeda voltar a ser cotada abaixo de 1,75 real por conta do fluxo positivo.

"O quadro para o Brasil ainda é bastante benéfico. Quer queira, quer não, vai continuar atraindo dólar para cá em função da redução dos juros nos Estados Unidos", avaliou.

Quando os Estados Unidos diminuem os juros, fica menor o rendimento obtido com títulos norte-americanos e os investidores se sentem mais atraídos por ativos de outros países, como o Brasil.   Continuação...