Siemens investe US$ 5 mi para produzir terminais IP no Brasil

quarta-feira, 2 de abril de 2008 17:36 BRT
 

SÃO PAULO (Reuters) - A Siemens Enterprise Communications, divisão do conglomerado alemão que atende empresas com equipamentos de telecomunicações, anunciou nesta quarta-feira o início da produção de terminais telefônicos IP na unidade da companhia em Curitiba (PR), fruto de um investimento de 5 milhões de dólares.

Os recursos foram aplicados na contratação de pessoal, aquisição de equipamentos e adaptação da unidade fabril para mais essa linha de produção. A fabricação gerou 100 empregos diretos e 100 indiretos na região, segundo a companhia. A Siemens já fornece terminais telefônicos IP no Brasil --aparelhos que completam a ligação através da Internet--, mas eles eram importados. Com a fabricação local, segundo comunicado da empresa à imprensa, ela espera triplicar as suas vendas no país e conquistar negócios na América Latina.

A queda de preço dos equipamentos a partir da produção local será de, em média, 30 por cento, estimou a companhia. A Siemens prevê comercializar 150 mil unidades por ano na região, dos quais 60 por cento no Brasil e os demais 40 por cento nos países vizinhos.

Criada em 1975, a fábrica da Siemens em Curitiba foi alvo recente de rumores de um possível fechamento. No final de fevereiro, um comunicado distribuído na Alemanha pela Siemens Enterprise Communications para informar detalhes de uma reestruturação afirmava que a empresa buscava alternativas para a unidade paranaense.

Em seu país de origem, a Siemens Enterprise Communications abandonou a fabricação local. No comunicado, ainda disponível no site da corporação, ela afirmava que pretendia vender ou encontrar parceiros para as fábricas internacionais da Grécia e do Brasil, onde empregava, respectivamente, 270 e 470 funcionários. "A possibilidade de as unidades serem fechadas não está descartada", diz o comunicado.

A fábrica também produz terminais PABX e abriga um centro de operações de rede para prestar serviços a terceiros. Nos últimos três anos, os investimentos na unidade somaram 20 milhões de dólares, disse a companhia.

Procurada, a subsidiária brasileira não deu retorno para entrevistas nesta quarta-feira.

(Reportagem de Taís Fuoco)