Marta vai nacionalizar campanha e explorar relação Kassab-Maluf

quinta-feira, 2 de outubro de 2008 19:05 BRT
 

Por Carmen Munari

SÃO PAULO, 2 de outubro (Reuters) - A campanha da candidata à prefeitura de São Paulo pelo PT, Marta Suplicy, vai centrar a estratégia de segundo turno na nacionalização do embate com o provável rival, o prefeito Gilberto Kassab (DEM). O projeto de governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva será confrontado com o anterior, apoiado pelo DEM e pelo PSDB.

Voltam à tona questões como as privatizações do governo Fernando Henrique Cardoso (PSDB) versus o fortalecimento do porder público. A recessão versus o crescimento econômico, aponta o presidente do PT, deputado Ricardo Berzoini (SP).

O debate lembra a eleição presidencial de 2006 e antecipa a sucessão de 2010.

"Vamos transitar nesses dois debates: o projeto municipal é objetivo, direto, baseado em experiências reais. A politização, o nacional, entrará de forma subjacente", afirmou Berzoini à Reuters nesta quinta-feira.

Caracterizando a eleição paulistana como "disputadíssima", Berzoini acredita que o pleito em São Paulo faz "conexão" com 2010 por envolver, de um lado, uma candidata do PT e, de outro, um político do DEM com fortes laços como governador José Serra (PSDB), potencial candidato à sucessão de Lula.

O presidente Lula também retornará à campanha de Marta, depois de participar de dois comícios no primeiro turno e de estar presente em depoimentos na propaganda de rádio e TV.

No último programa desta etapa, que foi ao ar na quarta-feira, Lula surgiu afirmando que "nós dois temos projetos e idéias muito parecidos".

No mesmo programa, Marta repetiu o que vem dizendo, com nuances, em relação ao presidente: "Eu e o presidente Lula temos o mesmo compromisso com São Paulo".   Continuação...