Aso é um dos favoritos para substituir premiê do Japão

terça-feira, 2 de setembro de 2008 08:04 BRT
 

Por Chisa Fujioka

TÓQUIO (Reuters) - O ex-ministro das Relações Exteriores Taro Aso lidera a corrida para se tornar o novo primeiro-ministro do Japão, disseram analistas e a mídia japonesa na terça-feira, depois que o impopular Yasuo Fukuda se tornou o segundo líder a renunciar ao cargo em menos de um ano.

Com o vácuo político ameaçando uma economia à beira da recessão, Aso, 67, disse que é um bom candidato para governar o país.

Se ele conseguir chegar à liderança em sua quarta tentativa, Aso, que é fã de histórias em quadrinhos e ex-atirador olímpico, será o 11o premiê japonês em 15 anos.

"Eu acho que (Fukuda) sentiu que tinha trabalhos não terminados e ele disse que queria que eles fossem concluídos", disse Aso em coletiva de imprensa, antes da votação para a liderança, marcada para daqui a três semanas.

"Como alguém que discutiu essas questões com ele, incluindo o pacote econômico, acho que tenho as credenciais para assumir isso", disse o veterano parlamentar, que atualmente é secretário-geral do partido LDP.

O índice de ações Nikkei caiu 1,8 por cento devido ao nervosismo internacional gerado quando se soube que mais um premiê japonês havia desistido do cargo.

Fukuda, 72, teve dificuldades para lidar com um parlamento dividido, onde os partidos de oposição têm o poder de atrasar os trabalhos legislativos. Sua saída repentina despertou dúvidas quanto à habilidade de seu partido manter o poder ou mesmo aguentar a pressão depois de comandar o Japão por boa parte dos últimos 53 anos.

Fukuda criou um pacote econômico na semana passada, prometendo cortar impostos e gastar 16,5 bilhões de dólares para ajudar a aliviar a alta dos preços dos alimentos e do petróleo, mas isso somente fez com que a avaliação de seu governo piorasse ainda mais.

 
<p>Taro Aso, secret&aacute;rio-geral do partido Liberal Democr&aacute;tico do Jap&atilde;o, favorito &agrave; substitui&ccedil;&atilde;o de Fukuda, que renunciou ao cargo de primeiro-ministro na segunda-feira REUTERS. Photo by Toru Hanai</p>